Um festival tradicional do Japão, na Serra da Mantiqueira

Um festival tradicional do Japão, em um encantador Jardim Oriental cheio de cerejeiras floridas, com muita cultura, comidas típicas, feira de produtos e diversas atrações.

Em Campos do Jordão, a festa acontece entre os meses de julho e agosto, quando a florada do Parque da Cerejeira está no seu auge. Milhares de pessoas vem todos os anos apreciar as flores e participar das festividades.

FESTA 2022
Veja as informações sobre a edição da Festa deste ano.

Significado da Festa da Cerejeira

A Festa da Cerejeira é, em essência, um hanami: um costume tradicional japonês de contemplação da beleza das flores, celebrando o anúncio da chegada da primavera.

A sakura (cerejeira), é a árvore símbolo do Japão, e sua florada é amplamente celebrada em todo o país. Na cultura, a sakura é intensamente referenciada, podendo ser encontrada em diversas obras, tanto nas mais tradicionais, quanto da cultura pop.

Uma festa beneficente

Esta é uma festa beneficente, e é realizada pelo Recanto de Repouso Sakura-Home. Toda renda arrecadada durante a festa tem contribuído durante todos estes anos na manutenção da instituição e no adequado tratamento dos internos.

Portanto, além de passar um agradável dia de festividade junto com familiares e amigos, você ainda contribui com esta instituição em prol do cuidado com nossos idosos.

História da Festa da Cerejeira

As primeiras cerejeiras vindas do Japão foram plantadas em 1936, por ocasião da inauguração do Sanatório Dojinkai. Eram da variedade Takasago e se adaptaram bem ao clima de Campos do Jordão e continuam apresentando belas floradas no início da primavera.

Em 1937, para comemorar a fundação da Colônia Lageado, Dr. Shizue Hosoe enviou 10 mudas das variedades Taizan, Botan e Amazonas, plantadas pelos colonos da região. Esses plantios foram um teste bem sucedido, já que as cerejeiras se adaptaram bem ao clima da Mantiqueira, sendo Campos do Jordão a única região no Brasil onde as cerejeiras do Japão floresceram efetivamente.

Posteriormente foi introduzida a variedade Okinawa, que floresce precocemente no inverno. O floricultor Mário Utyiama dedicou-se à multiplicação de outras variedades, como Benifuken, Yoshiro, e Oshima, através da técnica de enxerto em espécies diferentes, produzindo variedades híbridas.

No Palácio da Boa Vista, residência oficial de inverno do Governo do Estado de São Paulo, foram plantadas, em 1967, quinhentas mudas da variedade Some Yoshino, procedentes do Japão.

A florada das cerejeiras começou a atrair japoneses de diversas regiões, saudosos do espetáculo das Sakuras que, anualmente, presenciavam na sua terra.

O número de visitantes cresceu ano após ano, fato que despertou nas autoridades jordanenses a ideia de criar um evento com festividades musicais, danças e feira de artesanato para recepcionar esses visitantes.

Em 5 de outubro de 1968, o Prefeito Municipal em exercício, Arakaki Masakasu, sancionou a lei da Câmara Municipal, de autoria do Vereador Fausto Bueno de Arruda Camargo, que instituiu a Festa da Cerejeira em Flor de Campos do Jordão.

As primeiras festas foram realizadas na Cogumelândia, na Vila Jaguaribe, então propriedade de Mário Utyiama. Posteriormente o evento foi transferido para o Bosque São Francisco Xavier, localização atual da festa, onde as cerejeiras floresciam em abundância, principalmente a variedade Yoko, plantadas por Hirofumi Haruna.

Cultura

Do tradicional e milenar, ao popular e contemporâneo

Os visitantes tem a oportunidade de vivenciar um pouco da cultura japonesa, passeando pelo Jardim Oriental e assistindo as apresentações artísticas de música e dança, exibições de artes marciais, apresentação de Cerimônia do Chá, entre outros. Não é raro encontrar pessoas circulando pelo parque, vestidas com roupas tradicionais japonesas ou fazendo cosplay (se caracterizando como uma personagem, geralmente de desenhos e games).

Diversos grupos e artistas se apresentam no palco para animarem ainda mais a festa. Tem de tudo. São apresentações artísticas bem variadas, que vão desde o tradicional odôri (estilo de dança) a grupos de taikô (estilo de música com tambores japoneses). Apresentação de artes marciais, exibição de karaokê, street dance, entre outros exemplos mostram um pouco da cultura japonesa e entretém o público visitante.

Cerimônia do Chá

Os visitantes tem a oportunidade de participar desta bela e tradicional cerimônia, chamada de chanoyu, em japonês, criada ainda no Japão medieval e praticada até os dias hoje.

O que é a cerimônia do chá?

O chanoyu é mais do que uma simples forma refinada de preparar e servir o matcha (chá verde). Resumindo em palavras simples, pode se dizer que o intuito é purificar a alma do homem, confundindo-a com a natureza. É o reconhecimento da verdadeira beleza na modéstia e simplicidade. Expressões como calma, rusticidade e graça podem ajudar a definir o verdadeiro espírito do chanoyu.

As regras rigorosas da etiqueta do chanoyu, que podem parecer penosas e meticulosas à primeira vista, são, de fato, calculadas, segundo a segundo, a fim de obter a maior economia possível de movimento, e ao mesmo tempo agradar aos convidados que assistem a sua execução, especialmente quando realizada por mestres experientes.

Para conferir um espírito de tranquilidade, simplicidade e de ligação com a natureza, na Festa da Cerejeira a Cerimônia do Chá é realizada no meio do parque, cercada pelas belas árvores floridas de cerejeira.

Há também apresentações variadas de outras culturas e povos do mundo, enriquecendo ainda mais a festividade e proporcionando uma experiência única e diversificada para os visitantes.

Comer e Beber

Variedade para todos os gostos

O passeio não está completo sem antes se deliciar com as várias opções de comida disponíveis na festa.

Temos uma ampla praça de alimentação, onde você encontra pratos típicos da culinária japonesa, como os tradicionais e já famosos sushi e yakisoba, mas também pratos menos conhecidos, como o udon e o okonomiyaki (um tipo de panqueca frita com vários ingredientes), excelentes sugestões que valem a pena experimentar.

De sobremesa, não deixem de provar o mochi (bolinho japonês feito de arroz e recheado com doce de feijão).

Você pode encontrar também comidas típicas da região. A truta grelhada, o pinhão assado, os doces diversos e os chocolates caseiros são tradicionais de Campos do Jordão e também fazem parte do cardápio da festa.

Mas se nada disso agradar o seu paladar, há várias opções menos exóticas: pastel, lanche, hambúrguer, espetinho, salgados, entre outros.

Para finalizar, não falta também aquele bom e velho cafezinho depois do almoço.

Yakisoba e Udon

O yakisoba praticamente dispensa maiores apresentações, já que é um prato altamente popular entre os brasileiros.

E na Festa da Cerejeira não é diferente, pois é a opção mais consumida pelos visitantes.

Já o udon é um tipo de ensopado feito com um macarrão especial, no qual ainda são adicionados vários ingredientes e temperos, excelente para os dias frios do inverno de Campos do Jordão.

100% da venda do Yakisoba e do Udon é revertido para a Casa de Repouso Sakura-Home

Além de serem os pratos mais tradicionais da festa, eles tem ainda um tempero especial: o apoio à causa social.

A cada dia da festa, uma organização ou grupo de voluntários diferente fica responsável em preparar os pratos, e toda renda arrecadada com a sua comercialização é revertida para o Recanto de Repouso Sakura-Home. Portanto, além de saborear estes deliciosos pratos, você ainda estará contribuindo para a manutenção desta instituição e para o cuidado dos nossos idosos.

Compras

Artesanato, roupas, eletrônicos, brinquedos, floricultura e muito mais...

Artesanato, malharia, brinquedos, eletrônicos, floricultura e outros produtos variados são parte da atração da festa.

Com certeza você vai se interessar por algum produto ou querer levar alguma lembrancinha de Campos de Jordão.

Qualquer que seja o caso, os barazistas estão lá para atendê-lo com simpatia e para ajudá-lo a não ir embora de mãos vazias.